Renamo critica acções belicistas da Junta Militar

No dia 27 de abril, um agrupamento de homens armados encerrou na casa de um chefe de bairro, no posto administrativo de Capriçagem, zona de Tete, sem causar danos humanos, e, após o assalto, um agrupamento semelhante deixou uma carta em que distinguiu se como indivíduos da Junta Militar da RENAMO e essa invasão pretendeu garantir a autoridade da perdiz, como vem fazendo desde determinada data de 2019.

Ossufo Momade, dirigente da RENAMO, voltou a considerar injustificada e inconsequente a situação deste encontro e reiterou o pedido a Mariano Nhongo, chefe do Conselho e seus adeptos, para aderir ao ciclo de DDR.

É cruel agredir os cidadãos normais e a SDS para garantir a administração da RENAMO. Nem as pessoas normais nem a SDS são essenciais para a iniciativa da Renamo, nem são os nossos indivíduos. Houve um congresso em que fomos escolhidos de forma justa. não há motivação para pegar uma espingarda e disparar contra os indivíduos, executá-los e obliterar os seus bens, pois são contra Ossufo Momade. É bobagem. Bem-vindos a Junta Militar para aceitar o DDR e contribuir para a solidificação da harmonia no país, pois essa é a nossa concentração agora, disse Ossufo Momade.

Ossufo Momade falava na Beira desvinculado da função de largada para a semana Afonso Dhlakama, há algum tempo da RENAMO, que pretende respeitar e divinizar as suas realizações. Um serviço incorporou a apresentação de fotos e gravações que retrataram a vida e obra de Afonso Dhlakama, falecido aos 63 anos.

Deixe uma resposta