Tico-Tico lança “Eu tenho um sonho” e atira culpa ao dirigismo pelos fracassos dos “Mambas”

 

O ex-capitão da selecção nacional de futebol, Mambas, lançou, hoje, uma obra na qual fala das principais fragilidades que levam o país a viver num ciclo vicioso de frustrações. No livro “Eu tenho um sonho” o anterior capitão dos Mambas descobre que neste momento as coisas vão mal e que é premente mudar as circunstâncias.

Ele foi um jogador verdadeiramente notável e mais persuasivo na equipe de futebol público. Depois de uma alegre profissão, Tico-Tico compartilha sua fantasia por meio de um livro. “Acho que nós como um todo planejamos ver os ‘Mambas’ em uma Copa do Mundo, porém sabemos que há muito trabalho a ser feito para chegarmos, portanto, neste trabalho, compartilho alguns conhecimentos da experiência que adquiri nos vários clubes que vivi e ainda pelos vários continentes ”, iniciou o anterior capitão da equipa pública de futebol. Em sua obra, Tico-Tico discute a escolha primária e pensa que ela ainda está em um nível excepcionalmente baixo, então a chance de cumprir todos os requisitos para um grande confronto é distante e culpa o dirigismo e outras questões relevantes. “Como isso não está certo, de vez em quando podemos nos qualificar, mas não podemos ir mais longe. Percebo que há um desinteresse em reverter essa situação. Muito tempo depois de anos observamos o real frentes “, lamentou. Obtido alguma informação sobre uma potencial renomeação para a administração da Federação Moçambicana de Futebol, Manuel Bucuane foi perentório. “Não tenho a fixação de ser líder da Federação Moçambicana de Futebol. Apesar de quem está na Federação Moçambicana de Futebol, o principal é que o futebol crie e nos faça maravilhas. Além do mais, percebemos que, neste momento, as coisas estão ruim “, ele guardou. Atletas e anteriores associados, como Mano-Mano, João Chissano e Tomás Inguane, estiveram a despacho da obra de Manuel Luís José Bucuane. João Chissano concordou com os enfoques examinados pelo criador, tendo defendido o interesse pelo requinte como a melhor forma de elevar o grau de seriedade do futebol moçambicano.

Deixe uma resposta